Educação leva ensino domiciliar para estudantes deficientes

COVID-19O autista Eudair Júnior, tem 10 anos e recebe ensino em casa acompanhado da mãe

Aproximadamente 90% dos alunos da rede municipal de ensino de Jaqueira, já voltaram a frequentar presencialmente a sala de aula.  De acordo com  a secretaria de Educação da cidade, atualmente, apenas os estudantes com deficiência não estão frequentando a escola por decisão dos pais em razão da fragilidade de crianças e adolescentes com autismo, síndrome de down e outros transtornos.

De acordo com Ridete Pellegrino, prefeita de Jaqueira, para atender este público, a secretaria de Educação está desenvolvendo um formato de adaptação para levar o ensino. “Com essa metodologia, os cuidadores, que são professores de apoio, levam atividade até à casa do estudante que tem uma condição de saúdefragilizada”, detalha. 

Segundo Gildacy Matias, secretária de Educação da cidade, a educação inclusiva permite a presença do cuidador na casa do aluno com todos os cuidados necessários para combater a COVID-19. “Este professor de apoio garante a realização das atividades escolares dos estudantes através do AEE (Atendimento Educacional Especializado); o apoio essencial dos familiares é de extrema importância para o processo de ensino aprendizagem”, detalha a secretária.  

É o caso de Maria José Alves, mãe de Eudair Júnior, de 10 anos, que é autista, e está matriculado no 4º ano da Escola Vovó Dorinha, no Alto da Bela Vista, mesmo bairro onde o estudante mora com a família.  “Lembro que de fevereiro até julho eu ia à escola pegar as atividades para meu filho fazer em casa. Desde que o as aulas voltaram a acontecer presencial que a professora vem até nossa casa,” conta a mãe, Maria José ao revelar que o filho gosta muito de estudar e que frequenta o ambiente escolar desde os 4 anos de idade. 

PESQUISAR